15 de agosto e os marcos de São José de Anchieta para a história do Brasil

O início das obras, em 1579, e a dedicação da igreja, em 1590, aconteceram no dia 15 de agosto e foram feitos de São José de Anchieta, que ainda escreveu um teatro, o Auto da Assunção, para receber a imagem de Nossa Senhora, vinda de Portugal. Marcos históricos, religiosos, culturais e artísticos de Anchieta para o Brasil.

Há 440 anos a Companhia de Jesus chega a Reritiba e São José de Anchieta inicia a construção da igreja, que foi concluída e inaugurada pelo santo jesuíta há 429 anos com a apresentação do Auto da Assunção.

Os acontecimentos do dia 15 de agosto de 1579 e 1590 são decisivos para a história do Santuário Nacional de Anchieta. A igreja e a cidade foram erigidas sobre a identidade anchietana.

Anchieta edificou uma manifestação religiosa, cultural e política que acolheu e envolveu índios e colonos. Recorda-se ainda que dizer índios e colonos não significa dizer que são dois grandes grupos homogêneos. Definitivamente, não. A diversidade de tribos e de origem dos colonos era muito grande.

Anchieta foi um grande conciliador. Recepcionou a muitos. Para isso, valeu-se da abertura à cooperação, ao diálogo, à tolerância, ao respeito. Para unir, valeu-se da arte e da beleza.

Na Fé, Anchieta transmitiu a experiência do amor de um Deus que é próximo, que tem Coração e tem uma Mãe. Uma Santíssima Mãe que vai ao encontro, que visita e chega para ajudar, não para exigir. Vem, justamente para auxiliar naquilo que eles mais necessitam. Assim, transmite a Esperança que não decepciona.

Trecho do Auto da Assunção escrito por São José de Anchieta, em português e tupi.

Os marcos do dia 15 de agosto

440 anos da presença da Companhia de Jesus nas terras de Anchieta.

São José de Anchieta, em 15 de agosto de 1579, Festa da Assunção de Nossa Senhora ao Céu, funda a missão jesuítica no aldeamento de Reritiba. Atual, município de Anchieta.

No mesmo dia que funda a missão, São José de Anchieta inicia a construção da igreja, a mesma que hoje integra o Santuário de Anchieta.

429 anos da Dedicação da igreja de Nossa Senhora da Assunção realizada por São José de Anchieta

Exatamente 11 anos depois, no dia 15 de agosto de 1590, o mesmo Padre José de Anchieta inaugura essa igreja e realiza a Dedicação da igreja a Nossa Senhora da Assunção. O que era uma construção torna-se, então, um Templo.

429 anos do Auto da Assunção, peça teatral escrita por São José de Anchieta

No dia da dedicação da igreja, chega a Reritiba a imagem de Nossa Senhora. Acontece uma grande e notável festa que marcou a história e a cultura do Brasil, pois nela foi encenado o Auto da Assunção, escrito por São José de Anchieta.

Altar da igreja de Nossa Senhora da Assunção, construído e inaugurado por São José de Anchieta. Hoje integra o Santuário Nacional de Anchieta.

Marco cultural e artístico

No dia da Assunção, quando levaram sua imagem a Reritiba, conforme explica o próprio Anchieta no título do auto, foi uma peça teatral escrita para receber a imagem de Nossa Senhora da Assunção, confeccionada em terracota e que fora produzida em Portugal.

O Auto da Assunção, tem uma particularidade: “é uma peça teatral que conta a história da visita de Virgem Maria à aldeia, explica padre Nilson Marostica, reitor do Santuário de Anchieta.

Ainda hoje é possível ver o local onde foi apresentado o auto. “A encenação aconteceu desde o navio que atracou no porto do Rio Benevente, até o adro, que é o pátio da igreja”, conta o padre jesuíta.

Vieram para assistir o Auto da Assunção, indígenas e colonos de outros aldeamentos como de Vitória, Guarapari, Campos e Macaé.

O Auto da Assunção foi encenado para recepcionar a imagem de Nossa Senhora da Assunção.

Nascimento de uma igreja

A celebração que marca o nascimento de uma igreja tem o nome de dedicação, ou consagração.

São José de Anchieta tinha grande devoção à Conceição e a Assunção de Maria, portanto a escolha da dedicação da igreja está diretamente ligada à vida de oração do próprio santo Apóstolo do Brasil.

Detalhe das pedras da construção originária do altar da igreja de Nossa Senhora da Assunção.

Patrimônio Histórico e Artístico Nacional

Do antigo aldeamento de Reritiba está preservado o conjunto jesuítico do, hoje, Santuário Nacional de São José de Anchieta, tombado como Patrimônio histórico nacional, que integra a igreja, construída e dedicada por São José de Anchieta à Nossa Senhora de Assunção, parte da residência dos jesuítas, o adro ou pátio da igreja, onde foi encenado o Auto da Assunção, e a cela ou quarto, onde morreu Anchieta em 1597.

Detalhe na fachada da porta principal do Santuário de Anchieta.

Presença da Companhia de Jesus

São José de Anchieta também inaugurou a presença da Companhia de Jesus nas terras do hoje município que leva o seu nome. Uma contribuição em várias áreas do conhecimento e desenvolvimento urbano. Particularmente, do ensino e das artes.

Os jesuítas, como são chamados os padres da Companhia de Jesus, a mesma congregação de São José de Anchieta, são os responsáveis pelo Santuário Nacional de Anchieta.

440 anos da presença da Companhia de Jesus nas terras do hoje município de Anchieta. A missão foi fundada por São José de Anchieta.

Um comentário em “15 de agosto e os marcos de São José de Anchieta para a história do Brasil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s